quarta-feira, 6 de maio de 2009

"... dentro daquela saudade que não ia embora por mais que o tempo passasse e dentro dele, mesmo sem lembrar, apenas agindo, todos os dias eu acordava e tomava banho, escovava os dentes e fazia todas essas coisas rotineiras, igual a alguém que aos trancos, mecanicamente, continua a viver mesmo depois de ter perdido uma perna ou um braço que, embora ausentes, ainda doem - sem poder evitar, inesperadamente, sem querer evitar, outra vez lembrei de Pedro."

C.F.A.

Um comentário:

Ysadora, disse...

Olá!

Estou te seguindo!No meu blog também tem algumas coisinhas do Caio.Dá uma passadinha lá depois!

Beiijos